Disney World >> Visto americano – Parte 3

Disney, Viagens  /   /  Por Mônica Japiassú

Nesta última parte sobre o visto americano, contarei como foi o dia da nossa entrevista no consulado americano.

Estávamos agendados para 7h da manhã, e eles recomendam chegar meia hora antes. Chegamos por volta de 6:45 e já vimos uma fila grande do lado de fora do consulado.

Depois de perguntar a um funcionário, descobrimos que, na verdade, havia 2 filas: uma para as pessoas das 7h e outra para quem estivesse agendado para um horário depois das 7h (não adianta chegar muito mais cedo achando que vai poder entrar antes do horário agendado – porém, há a vantagem de ser um dos primeiros da fila do seu horário). O funcionário também nos relembrou de que não poderíamos entrar com celular ou qualquer eletrônico – o que estava escrito nas informações que eu já havia lido sobre a entrevista.

Quanto ao celular, nem levamos, mas esquecemos de tirar pendrives da bolsa e tivemos que deixá-los em um saquinho, com uma moça que fica do lado de fora do consulado, guardando os aparelhos que as pessoas levaram (e cobrando por isso, claro – se não me falha a memória, pagamos R$2,00 por pendrive).

Ainda na fila, uma funcionária pediu que todos juntassem o passaporte, a folha de confirmação de agendamento da entrevista, as folhas de confirmação de envio do formulário DS-160 e a foto 5×7 (com fundo BRANCO). Observação: não é necessário imprimir o DS-160 todo preenchido, pois eles não vão nem olhar; basta a página de confirmação de envio.

Ficamos pouco tempo na fila e, ao entrar no consulado, passamos por uma máquina de revista e entregamos nossos documentos em um balcão, onde nos deram uma senha de atendimento e perguntaram se queríamos a entrevista em português ou inglês. Depois disso, ficamos sentados aguardando a nossa vez em uma sala ampla, com ar condicionado e televisões que ficam mostrando os procedimentos para coletar as impressões digitais.

Nessa sala ficamos cerca de 20 minutos. Depois fomos coletar as impressões digitais com uma funcionária que falava portunhol (e não estava com um humor lá muito bom nesse dia) e, em seguida, fomos para outra fila, finalmente para fazer a entrevista. Ficamos em pé, mas foi bem rápido. A propósito, lá é tudo superorganizado!

As entrevistas são feitas em guichês (há uns 8, um ao lado do outro), em pé e sem privacidade alguma. Conforme vamos chegando mais perto dos guichês, dá para ouvir as entrevistas dos outros.

Levamos uma pasta com todos aqueles documentos que citei no outro post, esperando que tivéssemos que mostrar alguns deles.

Chegando a nossa vez, fomos nós três – eu, minha mãe e Celinho – para o guichê disponível. A moça que nos atendeu (e também falava portunhol, e era mais simpática que a anterior) olhou um pouco para a tela do computador e perguntou ao Celinho há quanto tempo ele estava no emprego atual. Depois, virou para mim e perguntou em que empresa eu trabalho e o que faço lá. Depois ficou alguns segundos olhando para o computador e… “O visto de vocês está aprovado. Dirijam-se para a agência dos Correios para pagar a taxa de Sedex.”.

Minha mãe estava um pouco atrás da gente e não ouviu a atendente falando isso. Quando nos viramos para ir embora, ela perguntou: “-É agora que vamos para a entrevista?”. Hahahahah! Ela ficou desolada por não terem perguntado NADA para ela!

Foi realmente tudo supertranquilo. Não pediram documento algum e foi rapidíssimo, só com essas 3 perguntinhas mesmo. Imagino que seja porque somos servidores públicos e eles sabem que já tivemos nossa vida revirada ao entrarmos em nossos empregos. Sabemos de outras pessoas que tiveram que responder a outras perguntas, mas nada demais também.

Fomos, então, para a agência dos Correios ao lado do consulado americano, pagamos a taxa de Sedex e fomos embora. No total, ficamos cerca de 1 hora e meia no consulado.

Os passaportes com os vistos registrados chegaram uns 3 dias depois em nossa casa.

Bom, terminada essa série sobre o visto americano, vou tentar fazer vários outros posts sobre a Disney World esta semana. Temos muuuuuita coisa pra contar ainda!

Gostou desta matéria? Leia estas também!

Fiz uma pesquisa aqui no nosso blog e só encontrei um post sobre o Hotel Fazenda Cascatinha! Fiquei...

Foi assim: o Marcelo conheceu a Ludus Luderia no fim de 2015, quando viajou sozinho pra São Paulo....

Durante nossas férias de 15 dias em São Paulo com as crianças, ficamos 5 dias em Campos do Jordão e...

5 comentários
 
  1. Pedro Ferrari 19 de Maio de 2015 at 12:15 Responder

    onde vc fez sua entrevista deve ser o paraíso, moro em Porto Alegre, e em 2011 fiz o da minha esposa, meu filho e o meu em São Paulo, um horror pois ficamos embaixo de uma cobertura de zinco ventilado por velhos ventiladores, entramos as 9 da manhã e fomos liberados por volta de quatro horas da tarde, muita burocracia antes da entrevista, entrevista que não durou mais do que 15 minutos…e saimos felizes e com o visto concedido, abraço..

    • Mônica Japiassú 20 de Maio de 2015 at 09:01 Responder

      Puxa, que chato ter passado por isso, Pedro… 🙁 Talvez já tenham melhorado depois de 4 anos, né? A vantagem é que o visto tem um prazo de validade longo, então esse “perrengue” é raro. 🙂

  2. Patricia Shimoze 2 de março de 2013 at 16:44 Responder

    Qto foi a taxa do sedex?

    • Mônica Japiassú 3 de março de 2013 at 18:16 Responder

      Patricia, infelizmente não me lembro dessa informação, mas acho que não passou de R$20,00 por passaporte.

  3. Lúcia Japiassú 15 de fevereiro de 2012 at 20:02 Responder

    Pois é…fui ignorada solenemente lá. Nem olharam prá mim…sniff.sniff… 🙂 É isso que dá ser mãe e sogra de pessoas influentes 🙂

Deixe uma resposta