Como contar a verdade sobre o Papai Noel?

Filhos  /   /  Por Mônica Japiassú

Depois de um Natal mágico em Orlando e de volta à realidade, um belo dia, conversando sobre a Páscoa, a vovó Lulu disse para a Amanda:

– Quando a mamãe e o dundum (meu irmão) eram crianças, eu colocava os dedos na farinha e fazia pegadas no chão, pra fingir que eram do Coelhinho da Páscoa.

– Ué, vovó, não era o Coelhinho que levava os ovinhos?

A vovó ficou com cara de boba e perguntou se ela ainda acreditava em Coelhinho da Páscoa. Ela respondeu, rindo: -AcrediTAVA, né?

Poucos dias depois, a Amanda falou pra gente:

-Vocês precisam me contar toda a verdade sobre Papai Noel, Coelhinho da Páscoa e Fada do dente antes de eu virar mãe, senão meus filhos vão ficar sem presente se eu achar que é o Papai Noel que vai trazer e ele não existir!

Nesse dia ela se contentou apenas com as nossas gargalhadas e não levou o assunto adiante. Mas nós dois ficamos tentando decidir se já era hora de contar toda a verdade para ela.

Estava difícil, pois sempre que achávamos que devíamos falar, a Letícia estava por perto. Até que estávamos sozinhos com a Amanda um dia e resolvemos contar:

-Filha, nós temos uma coisa pra contar pra você. É algo que você já perguntou várias vezes pra gente, pedindo para contarmos a verdade pra você. Sabe o que é?

-O Papai Noel?

-É. Sabe o que temos pra te contar?

-Ele não existe?

-É, mas você sabe do combinado que temos aqui em casa, né? Só podemos mentir quando vamos fazer alguma surpresa, e nós mentimos esse tempo todo pra fazer surpresa pra você, colocando o presente na varanda, e pra você ter essa magia do Natal no seu coraçãozinho. Mas agora que percebemos que você já estava bastante desconfiada, achamos que devíamos te contar a verdade e te chamar pra nos ajudar a continuar colocando essa magia no coraçãozinho da Letícia.

E a Amanda me abraçou e chorou… Ficamos com tanta peninha… Ela já desconfiava, mas queria continuar tendo aquela linda ilusão.

Nós não esperávamos que ela fosse ficar tão triste. Achávamos que ela ia ficar até falando “Viiiiu? Eu disse que ele não existia!”, mas aconteceu o contrário. Parecia que ela estava perdendo algo – e realmente estava… Mas, nem sempre os pais acertam, né? Ficamos lá dando carinho para ela, acolhendo sua tristeza, contando como foi que nós dois soubemos da verdade (ela perguntou) e esperando ela se recompor.

Depois daquele dia, ela só tocou no assunto novamente uma vez, com um pouco de pesar, perguntando por que nós resolvemos contar a verdade pra ela. Respondi que nós acreditávamos que ela já soubesse ou, pelo menos, desconfiava bastante, e que é bem provável que os amigos dela falem sobre isso na escola este ano, e nós queríamos que ela soubesse da verdade por nós, e não por amigos.

Bem, depois disso, sinceramente não sei se vamos contar a verdade para a Letícia sem antes termos certeza de que ela já sabe, pois nosso coração ficou apertadinho ao ver a Amanda triste. Talvez a gente faça alguma coisa propositadamente para que ela descubra por si só.

E vocês, como ficaram sabendo que o Papai Noel não existia – e como contaram para seus filhos?

Cadastre-se para receber e-mail quando houver posts novos!

Gostou desta matéria? Leia estas também!

Ontem, poucos minutos antes da hora de dormir, a Priscila cismou que queria jogar Wii. Nós...

Independente da religião que nossas filhas vão seguir, a gente sempre incentivou elas a rezar, ou...

Acompanhar a linguagem, o ritmo e tudo que rola dos adolescentes sempre foi difícil para os pais,...

20 comentários
 
  1. Gabriel Machado 6 de abril de 2013 at 23:26 Responder

    “antes de eu virar mãe” hahaha Crianças são muito figuras =)

  2. imoveis 28 de fevereiro de 2013 at 16:34 Responder

    Deixei minha filha descobrir sozinha rs.

  3. Patricia 28 de fevereiro de 2013 at 15:54 Responder

    Tadinha da Amanda… Ainda não contei pra Luísa…. Acho que vou esperar mais um cadinho. Tenho certeza que vc e Marcelo conversaram com ela com muito carinho. Vcs são pais maravilhosos. A Luísa alguns dias esta mais sensível que outros… Pode ser que nesse dia Amanda estivesse mais emotiva. Almoçamos semana que vem?? Bjs

  4. SELENE 28 de fevereiro de 2013 at 00:10 Responder

    Monica eu ainda n contei ao Diego q tem 7 anos por que ele nunca me questionou e a Ana luisa só tem 4 anos e fica muito ansiosa qdo chega o natal pq batemos o sininho a meia noite qdo Papai Noel entrega os presentes a eles. Mas acho q vou fazer a carta, é bem melhor fiquei com pena da amanda. Agora não me lembro como eu descobrir. Amigos qual a idade certa pra revelar? Bjs, abraço grande. Ah! meu irmão disse pro filho dele desde os 3 anos q papai noel não existe e o menino nem espera por ele. Sacanaaaaaaaaaaaagem. Não sei se foi bom ou ruim. selene

  5. Silvio Ribeiro 27 de fevereiro de 2013 at 21:13 Responder

    Sou Papai Noel profissional há 46 anos, criador do primeiro curso de Noéis do Brasil e confesso que aos 64 anos, ainda acredito nele, pois simboliza o bem e a amizade. Devemos respeitar o universo infantil, o lúdico e a imaginação dos pequenos, pois são coisas próprias da idade e ganharão mais tarde, outros significados. Quando uma criança pergunta se o Papai Noel existe, já está desacreditando. A melhor resposta é perguntar: “_O que você acha?” Precisamos nos conscientizar de que o lúdico faz parte da vida, tanto das crianças, como dos adolescentes, adultos e idosos. Tudo tem seu tempo. Sonhamos com o príncipe encantado, nos divertimos com desenhos animados, jogos de computador, nos emocionamos com a novela, um filme, mesmo sabendo que é de “mentirinha”. Imaginarmos o futuro dos nossos filhos, o que faríamos se ganhássemos na Mega-Sena e alimentando fantasias no campo político, social e religioso (até as fantasias sexuais) Antes de dormir, ocupamos nossa mente (brigando na cabeça) com fulano, dizendo que quando encontrá-lo diremos na cara dele, isto e aquilo, pois ele não passa de um isto e aquilo. Perdemos o sono, continuamos brigando ao travesseiro. É o nosso lado lúdico (que aí pode), mas tentamos destruí-lo nas crianças. Pense nisso. Não mate a imaginação das crianças. Elas descobrirão por si próprias. Adultos insensíveis e ruins de cama foram crianças que tiveram a imaginação tolhida na infância. Silvio Ribeiro

    • Mônica Japiassú 5 de março de 2013 at 13:55 Responder

      Silvio, Você certamente é um Papai Noel e tanto, pelo texto que escreveu. Ficamos encantados, assim como as crianças que conversam com você devem ficar também. Parabéns pelo importante trabalho que faz para continuar levando às crianças essa linda magia do Natal! Os pais, na tentativa de sempre darem o melhor para os filhos, às vezes também erram. Talvez tenhamos errado ao contar para a Amanda que Papai Noel não existe. Mas certamente achávamos que estávamos fazendo a coisa certa. Depois de constatarmos a decepção dela, nos arrependemos de ter contado. Serviu de aprendizado para quando for a vez da Letícia, nossa outra filha, de 3 anos. Obrigada pela linda mensagem que deixou em nosso blog! Abraços!

      • Silvio Ribeiro 6 de março de 2013 at 04:50 Responder

        Olá, Monica Japiassu: Que bom saber que de alguma forma, meu texto foi de utilidade para a conscientização dos pais. Outro assunto que me incomoda bastante é a mania de algumas mães usarem o Papai Noel para as crianças deixarem a chupeta e entregá-la ao bom velhinho. Mas isso é tema para outra ocasião. Segundo a filosofia dos indianos, vivemos no mundo de Maya, ou seja, num mundo de ilusão. Para eles, o mundo real é a perfeita sintonia com o Criador. Coisa difícil em nossos dias. Para você e seus leitores conhecerem mais o meu trabalho como Papai Noel, acesse o meu blog, onde há alguns vídeos de minhas participações na TV, com depoimentos emociionantes. http://www.papainoel-claus.blogspot.com No Google, digite: Silvio Ribeiro+papai noel Você é parente do Moacir Japiassu? Abraço fraterno. Ho Ho Ho!

        • Mônica Japiassú 6 de março de 2013 at 11:18 Responder

          Silvio, Seu trabalho deve ser gratificante demais. Chorei vendo a matéria da Ana Maria Braga. Imagino o quanto vc deve ficar com vontade de chorar também ao ver a emoção das crianças (e, principalmente das mães) quando você atende a esses pedidos! Sim, sou parente distante do Moacir, mas não o conheço. Abraços!

  6. Leo 25 de fevereiro de 2013 at 14:01 Responder

    Peraí… Não existe? Sacanagem! Eu acreditava. Droga!

    • Mônica Japiassú 25 de fevereiro de 2013 at 14:25 Responder

      Leo, que tal fazer a Amanda voltar a acreditar em Papai Noel? Você pode vir aqui em casa vestido de duende e mostrar uma foto do Papai Noel com você! Que tal? 😉

      • Leo 25 de fevereiro de 2013 at 15:35 Responder

        Isso é fácil.. O problema será ela acreditar que eu sou ajudante de Papai Noel. Podemos marcar de eu ir aí, e usar meus dotes de ator, e convencer que já trabalhei com Papai Noel e que os pais acham que ele não existe. Mas que na verdade existe. Aí, no Natal, vocês fingem que um presente não foi ninguém que comprou (mas não faz muito alarde) e eu falo que foi o Noel quem deu. Saca? Podemos tentar (sério).

        • Mônica Japiassú 25 de fevereiro de 2013 at 15:51 Responder

          Gostei, Léo! Como ela sabe que você é ator e comediante, a primeira reação vai ser ficar falando repetidamente que é tudo mentira! Hahahahah! Mas acredito que ela vai ficar com a pulga atrás da orelha com a sua brilhante atuação! Vamos tentar lembrar de fazer isso no Natal deste ano!

  7. alessandra medeiros 24 de fevereiro de 2013 at 22:04 Responder

    Eu tentei contar pra minha filha, pois algumas colegas do colégio já estavam falando, mas quando toquei no assunto ela falou que ele existia e que as colegas não sabiam nada, então não contei ainda, estou esperando o momento dela.

    • Mônica Japiassú 25 de fevereiro de 2013 at 09:29 Responder

      Legal, Alessandra! Que bom que a Fernanda acredita com tanta fé ainda! Quando resolver contar, a carta que a Giseli citou aí embaixo é muito interessante! Se eu tivesse conhecido antes, acho que faria da mesma forma com a Amanda. Acho até que vou escrever uma carta parecida pra ela, só pra reforçar.

  8. Alethea 24 de fevereiro de 2013 at 16:37 Responder

    Que peninha da Amanda, o que será que passava na cabecinha dela né? Me lembro muito bem qdo. eu descobri que o papai noel não existia, eu já devia ter uns oito ou nove anos, mas nessa idade eu acreditava com uma certa desconfiança. Descobri mesmo uma vez que estava abrindo o armário da minha mãe (o que eu não costumava fazer), em um dia que ela não estava perto, e me deparei com uma boneca, justamente a que eu tinha pedido de natal!! Fechei na hora rapidinho o armário, e fiquei chateada, muito chateada, pois acabava de comprovar uma coisa que eu desconfiava, porém não tinha certeza. Fiquei triste, mas não contei à ninguém, nem à meu irmão p/ que ele tb não se decepcionasse. E guardei aquilo comigo, não contei aos meus pais, e foi tudo acontecendo de maneira natural. Meu irmão deve ter descoberto com os amigos de escola, pois ele tb nunca questionou sobre isso em casa. Aqui em casa, com o Enzo e o Giuseppe, faço tudo p/ que acreditem no Coelho da páscoa, Natal, Fada do dente…e por enquanto nunca me questionaram. E cada ano invento um jeito diferente do Papai noel deixar o presente, sempre surpreendendo-os, o que deixa a expectativa de sua chegada ainda maior! Mas não imagino o que eu direi qdo um dos dois me perguntar sobre sua existência!

  9. José (pai da Mônica) 24 de fevereiro de 2013 at 09:20 Responder

    Acho que a Amanda chorou porque constatou que os pais dela são mentirosos!

    • Mônica Japiassú 25 de fevereiro de 2013 at 09:27 Responder

      Hahahahh! Por isso não foi não, pai, pois ela sabe do nosso combinado de que é permitido mentir somente quando é para fazer surpresa!

  10. Giseli Freitas 23 de fevereiro de 2013 at 22:52 Responder

    Crescer dói. Mais na gente do que neles. Eu contei ano passado, porque Giulia me perguntou.adaptei o texto de uma carta escrita no New York Times por Martha Brockenbrough que eu e eu tinha lido a um tempãp e resolvi que era a melhor forma e o que eu queria dizer sem ter q encarar de frente esse momento. É um texto lindo, mas está traduzido e adaptado por mim, mas vc pode procurar pelo original em inglês, pois acho q vc pode usa-lo pra amenizar esse impacto na Amanda. Vou te mandar por mensagem no Facebook e depois em diz se gostou e usou. Bjos

    • tatiane 27 de dezembro de 2015 at 11:51 Responder

      Giseli, meu filho tem 8 anos e acho que ele finge que acredita. Ele é muito inteligente e creio que não quer deixar de ganhar presentes.Mas tenho medo de me precipitar. Gostaria de receber a carta tbm, se puder me envie, por favor. meu email: [email protected]

  11. Lúcia Japiassú 23 de fevereiro de 2013 at 22:45 Responder

    Poxa…que peninha da Amanda…a tristeza dela me contaminou e chorei também. A desilusão já é muito difícil para o adulto, para a criança deve ser num grau muito maior mesmo. Mas foi melhor saber por vocês do que pelos amiguinhos na escola. Acho que ela ia se sentir traída por vocês. O importante é que a magia do Natal não deixe de existir para ela. AMO o Natal e espero que ela continue amando, mesmo sabendo a verdade sobre o Papai Noel. 🙂 Beijinhos em todos

Deixe uma resposta