Campanha em prol de 6 meses de licença maternidade

Nós babando e elas crescendo  /   /  Por Mônica Japiassú

Campanha em prol de 6 meses de licença maternidade

Gostei do comentário da Lilian sobre esta campanha e acho que minha opinião merece um post. 🙂

Eu acho um contra-senso fazerem campanha a favor de aleitamento materno exclusivo nos 6 primeiros meses do bebê, enquanto as mulheres têm licença-maternidade de 4 meses. Ou seja, é quase impossível seguir o que eles falam, a não ser que o bebê fique tomando mamadeira com o leite materno durante o dia inteiro enquanto a mãe trabalha (no caso da Amanda, não daria certo, porque ela não aceita mamadeira). Além disso, eu acho (mas não tenho certeza) que a campanha defende o aleitamento materno exclusivo no peito. Então, torna-se impossível mesmo segui-la.

Eu adoraria ter ficado mais 2 meses direto com a Amandinha, amamentando-a exclusivamente no peito. Porém, imaginem-se como donas de uma empresa. Já deve ser ruim ficar com a equipe desfalcada de uma funcionária durante 4 meses seguidos; imaginem por mais 2 ou 3 meses (caso a mãe ainda tire férias depois da licença). Deve ser muito ruim, né?

Não é nem pelo dinheiro, pois é o INSS que paga a licença-maternidade da funcionária, mas por desfalcar a equipe mesmo.

E, olhando pelo lado da funcionária, ela mesma pode sair prejudicada ficando tanto tempo fora, pois seu chefe pode perceber que a equipe andou bem sem ela, achando-a dispensável, não é?

Eu não acho que seja necessário o aleitamento materno exclusivo durante 6 meses não. Está aí a Amandinha pra comprovar. Desde os 4 meses, ela come outros alimentos, e está aí super esperta, crescendo e engordando normalmente. 🙂

Eu vejo uma vantagem maior do que o aleitamento exclusivo em a mãe poder ficar mais 2 meses com o bebê: ele não precisar ir pra creche tão cedo (caso a avó, por exemplo, não possa ficar com ele). Eu acho 4 meses muito cedo pra um bebezinho ficar sob os cuidados de pessoas que têm que se dividir pra dar atenção a 2 ou 3 bebês ao mesmo tempo.

E vocês, o que acham? Deixem suas opiniões aqui! 🙂

Cadastre-se para receber e-mail quando houver posts novos!

Gostou desta matéria? Leia estas também!

Blog renovado! Clique aqui para ir para nosso novo blog! Cadastre-se para...

Blogagem coletiva >> Relato de parto O relato de hoje não é do parto da Amanda (que pode ser visto...

Disney World >> Visto americano – Parte 2 Continuando os posts desta série, hoje farei um resumo do...

16 comentários
 
  1. KELLY MOREIRA MACIEL 29 de dezembro de 2005 at 14:53 Responder

    É PARA MIM SERIA UMA BOA 6 MESES,SEI QUE ESTARIA ARRISCANDO MEU EMPREGO,POR TALVEZ NÃO SENTIREM MAOS MINHA FALTA,MAS É UM RISCO QUE CORREMOS.POR ISSO PRETENDO NÃO ME INDIVIDAR,PÉS NO CHÃO,MORO EM rONDONÓPOLIS A 2 ANOS NÃO TENHO PARENTE POR AQUI,TENHO UM FILHO DE 5 ANOS,SOFRI ATÉ ACHAR UM LUGAR PARA ELE,POIS O MELHOR FOI COLOCÁ-LO NA ESCOLINHA,NÃO DEU CERTO COM TERCEIROS.AGORA IMAGINE UM BÊBE,TALVEZ EU TENHA QUE PEDIR AS CONTAS,POIS ALÉM DE SER CARÍSSIMO UMA BABÁ POR AQUI,NÃO CONHEÇO NINGUÉM QUE POSSA ME INDICAR UMA,POIS MINHA VIDA É DO SERVIÇO PARA CASA E DA CASA PARA O SERVIÇO.E VOU DIZER MAIS NESSA CIDADE O POVO NÃO GOSTA DE TRABALHAR,NENHUMA VISINHAEU CONFIARIA MEU FILHO E PENSA QUE ELAS QUEREM SABER DE TRABALHO? O MARIDO QUE DE UM JEITO DE PAGAR AS CONTAS POR ISSO QUE SAIU NO JN QUE AQUI É LUGAR DE TRABALHO,GANHA SE POUCO MAIS SEMPRE TEM ALGO PARA SE FAZER,RESUMINDO VOU ESPERAR TER MEU BÊBE ATÉ LÁ DEUS ME GUIARÁ,NÃO VOU ME ESTRESSAR.BEIJOS FIQUE COM DEUS E OBRIGADA POR ME OUVIR.!!!!!!!

  2. Patricia 26 de setembro de 2005 at 02:16 Responder

    Ola pessoal vejo que essa historia e um grande dilema entre as maes , sou mae de uma bb de 7meses ela mamou exclusivamente no seio ate os 6 meses e pretendo dar de mamar ate ela completar 1 ano , com isso abdiquei minhas atividades , so para cuidar da minha florzinha e estou achando muitooo gratificante mesmo acompanhar cada passo dela ,porque na realidade nao tem dinheiro no mundo que pague o q estou vivendo e mais esse tempo nao voltara. Quero aproveitar o maximo e ensinar o q for possivel a minha filha ela merece .

  3. Adria (madrinha junto com o Leo) 1 de setembro de 2005 at 23:15 Responder

    Só pra constar… eu já fiz algumas entrevistas em q o entrevistador me perguntou descaradamente se eu pretendia ter filhos e qdo!!!

  4. Adria (madrinha junto com o Leo) 1 de setembro de 2005 at 23:11 Responder

    Taí uma coisa muiiito complicada…
    Como a Monica já falou pra empresa é super ruim, e normamente a empresa acaba contratando alguém pra substituir a mamãe nesse meio tempo… Daí o risco da mulher ficar desempregada depois aumenta ainda mais!!! 😐

  5. Rosana Shiota 1 de setembro de 2005 at 06:54 Responder

    Eu sou a favor do aleitamento exclusivo até o 6º mês mas , acho que infelizmente isso é uma realidade distante , tive sorte por amamentar até o 6º (e continuar até agora com a amamamentação complementar) . qto aos beneficios acho que eles realmente existem , porem passados os 6 meses o que se fortalece é o vinculo afetivo , o gesto de carinho pq a necessidade real do bb em termos de nutrientes já é suprida atraves da alimentação .
    Uma vez que uma criança bem alimentada tera seu desenvolvimento de acordo com seus padroes e heranças genéticas .
    quero dizer com isso que não é pq determinada criança mama no peito que ela será maior e/ou mais desenvolvida.

  6. Deise Lima (UFRJ) 1 de setembro de 2005 at 00:55 Responder

    Bom, conheço country manager’s que declaradamente preferem não contratar mulheres. O motivo do “preconceito”, principalmente contra as mulheres mais jovens e sem filhos, é sim por causa de licensa-maternidade.
    Eu particularmente acho isso de uma estupidez sem fim, por motivos óbvios. Afinal o que seria da humanidade se as mulheres resolvessem não mais ter filhos?
    Não tenho filhos, mas tenho a impressão que 4 meses é um tempo justo – é um meio-termo. Afinal, para as empresas é bastante complicado não contar com um funcionário por tanto tempo.
    Qnto ao risco da empresa perceber que tudo correu bem na ausência da mulher, e portanto dispensá-la em sua volta… Sim, é um risco. Mas no mercado de TI, particularmente, eu nunca vi isso acontecer muito não. Já trabalhei em empresas com 3 mulheres tendo filho praticamente ao mesmo tempo, e na verdade vira um Deus nos acuda mesmo. E qndo elas voltam, é todo mundo dando graças a Deus.
    Mas enfim, quanto ao aleitamento de 6 meses… Eu sou suspeita para falar!! Minha mãe sofria (e ainda sofre) de uma doença cardíaca, e logo antes da minha gravidez, fez um tratamento com iodo radioativo. Por isso, ela não pode me amamentar. Eu NUNCA mamei no peito, e sempre fui cheia de saúde. Gripe pra mim é coisa rara. Mesmo qndo criança.
    Eu não questiono que o leite materno é sim importantíssimo para o bebê, afinal a natureza sabe o que faz. O meu caso tvz tenha sido pura sorte, vai saber. Mas por essa situação da minha mãe, o pediatra (e minha mãe tb) era extremamente cuidadoso com a minha alimentação (que foi baseada nos primeiros meses em leite de bancos de leite – daí a minha posição super a favor de mulheres cheias de leite doarem!), e meu acompanhamento foi mais intenso. Enfim, cresci saudável graças a Deus.
    Mas é um contra-senso incentivar 6 meses de aleitamento materno exclusivo com uma licensa-maternidade de 4. Não faz sentido. E eu sinceramente não acho que faça assim tanta falta para o bebê… se fosse assim, os bebês estariam todos doentes por aí, não? Então, concluindo: acho a licensa de 4 meses justa, e a campanha é que está errada. Qnto a colocar um bebê de 4 meses numa creche, eu tb não vejo um grande problema. Boas creches tem profissionais bem-preparados, e ainda acho que pode ser melhor do que ter uma babá, que fica sozinha com seu bebê em casa.
    Enfim, ser mãe nesse mundo moderno é difícil mesmo… Culpa das feministas, dessas mulheres que queimaram sutiãs, de Joana D’Arc! 🙂

  7. Ana Paula e Nicole 31 de agosto de 2005 at 11:07 Responder

    Ô dilema!!! Ter ou não ter os 6 meses de licença? Pra quem trabalha, é mesmo difícil encarar a separação do bebê, mas por outro lado, temos que trabalhar pra ajudar no orçamento, e como boa parte das mulheres que saem de licença maternidade, quando voltam são demitidas, imagina se fossem 6 ou 7 meses? As empresas não contrataria mais mulheres, pois, na ocasião, só trabalhariam 5 meses, já pensou? Bjus! A Amandinha está linda!

  8. Catia Lopes 30 de agosto de 2005 at 15:07 Responder

    Olá Monica, já conheço seu bloguinho a muito tempo, mas nunca comentei nada. Hoje resolvi opinar sobre o tema do post. Pois bem, tenho 2 filhos, a Leticia com 11 anos que mamou exclusivamente no peito até os 6 meses, super saudável ela, mas como eu tinha apenas 17 anos, nao trabalhava e foi super tranquilo. Hoje tenho o Pedro, com quase 8 meses, que mamou no peito exclusivamente, até 5 meses e meio, pois peguei 2 meses de férias depois da licença e graças a Deus onde trabalho é tudo de bom, a equipe tb é maravilhosa então deu tudo certo, se pudesse ficaria mais tempo em casa cuidando dos meus fiotes. O Pedrão além das papinhas que come super bem,ainda mama no peito e pretendo continuar até os 2 anos. Acho importante a amamentação exclusiva por 6 meses e super prático tb, pois não precisa se preocupar em fazer papinha, raspar ou amassar frutinha, se as frutas e os legumes estao em boa qualidade e etc. O leite materno já sai prontinho, morninho e além dos pequenos adorarem eu acho gratificante e delicioso dar de mamar.
    Lógico que tem bebês que não foram amamentados exclusivamente no peito por 6 meses e sao super espertos e saudáveis. Pois eu mesma conheço.
    Bom, essa é minha opiniao.
    Um grande abraço e um lindo dia prá você e sua familia.

  9. Vivian 30 de agosto de 2005 at 14:00 Responder

    Olá Mônica!
    Se eu pudesse, ficaria era em casa mesmo, sem trabalhar!!! Mas como não casei com marido rico nem sou milhonária, tenho q voltar qdo der a luz e meu bebê tiver cinco meses, pois com certeza vou querer minhas férias!! hehehe
    Tudo de bom pra vcs três!
    Vivian

  10. Monica 30 de agosto de 2005 at 12:38 Responder

    Ops, quis dizer dispensável… hihihi.

  11. Monica 30 de agosto de 2005 at 12:38 Responder

    Poxa, difícil… tem os dois lados: a mãe precisa de mais tempo com o bb, mas enqto isso, a empresa onde trabalha fica tanto tempo sem a funcionária, q acaba achando indispensável mesmo. Fazer o q? Nós, mulheres, ficaremos sempre neste dilema!!!
    Está devendo as fotos mesmo hein!
    1000 bjos para os 3!

  12. Lilian 30 de agosto de 2005 at 12:21 Responder

    Oi Monica,
    Legal vc ter comentado sobre esse asunto tão importante no seu blog!
    Depois queli tb resolvi publicar um post hj sobre esse assunto!
    Embora alguns levem na brincadeira, na minha opinião 6 meses já seria perfeito pra mamae cuidar do bebe! vc sabe…deixar um bebezinho de 4 meses é de cortar o coração.
    beijo
    Li

  13. Lúcia Japiassú 30 de agosto de 2005 at 09:52 Responder

    PARABÉNS, MÔNICA E MARCELO!!!!!
    3 ANOS DE CASADOS!

    Que Deus os conserve sempre assim.
    Que o amor de vocês seja eterno, e que a cumplicidade, compreensão e respeito mútuo estejam sempre presentes no dia-a-dia de voces!

    Um beijão no coração de cada um,

  14. Dany e Isadora 30 de agosto de 2005 at 09:43 Responder

    Mô eu concordo com o que vc disse que é muito tempo pra profissional ficar fora do mercado e se tronar dispensável, mas eu ainda acho que 6 meses de aleitamento exclusivo pra alimentos seria o ideal mas está fora da nossa realidade infelizmente, eu sou felizarda de ter a creche no meu trabalho e ter conseguido amamentar exclusivo. é um assunto polêmico, vendo os 2 lados não cheguei a uma conclusão definitiva e acho que nunca vou chegar! 🙂 ajudei? beijos

  15. Carlos Marcelo 29 de agosto de 2005 at 21:49 Responder

    Taí, vou abrir a campanha pelos 12 meses. :p Já tem até jingle:

    Vai Vai vai
    12 meses
    Para o pai!

  16. Carlos Marcelo 29 de agosto de 2005 at 21:48 Responder

    Se a carga tributárias sobre as empresas não fosse tão grande, até poderia pensar em apoiar 6 meses de licença para mãe (e 12 meses para o pai hehehhe) mas só de pensar q mais de 40% do q vc ganha fica nas mãos do governo para não ser bem aplicado, concluo que devemos voltar às urnas para votar contra corrupção e partidos q nada acrescentaram a vida das pessoas.

Deixe uma resposta