A palavra convence; o exemplo arrasta!

Filhos  /   /  Por Mônica Japiassú

Ontem, poucos minutos antes da hora de dormir, a Priscila cismou que queria jogar Wii.

Nós explicamos pra ela que não dava tempo, porque já estava na hora de dormir, e dissemos que poderíamos jogar no dia seguinte.

Ela entendeu tudinho e foi dormir numa boa!

Ela, então, entrou num loop, repetindo sem parar:

– Eu quero jogar Wii! Eu quero jogar Wii! Eu quero jogar Wii!

Eu tentei, o Marcelo tentou, a Letícia tentou, a Amanda tentou. Todos tentamos explicar de novo e dizer que poderíamos jogar Wii no dia seguinte.

E ela? Ignorou todo mundo solenemente e continuou repetindo que queria jogar Wii – e começou a chorar, enquanto continuava repetindo a mesma frase.

De repente, a Amanda recebeu uma inspiração divina! Chamou a Priscila pra sentar no colo dela e falou:

– Sabe o que eu faço quando eu quero muito uma coisa?

Nesse momento, a Priscila parou de chorar – e de repetir a mesma frase – pra prestar atenção na Amanda.

– Eu fecho meus olhos… fecha seus olhos também, bem forte! Fecho minhas mãos também… fecha suas mãos, igual a mim!

E a Priscila foi seguindo as instruções da irmãzona.

– E aí eu penso bem forte naquilo que eu quero! Pensa no joguinho que você quer jogar no Wii. Me fala o nome dele!

– Mario Kart!

– Então vamos imaginar que a gente tá jogando Mario Kart! 3, 2, 1, péééé! Começou!

Nesse momento, eu, Marcelo e Letícia entramos também no mundo da imaginação da Priscila e ficamos fingindo que estávamos dirigindo no Mario Kart.

Cada um falou qual era o seu personagem e ficamos falando coisas do tipo “Ah, vou te passar! Estou em quinto lugar! Poxa, caí no barranco! Eeeee! A Priscila ganhou!!”

E todos comemoraram a “vitória” da Priscila, que, a essa altura, já estava rindo junto conosco!

Pra não dar tempo de ela pensar, logo me levantei e falei que o prêmio dela por ter chegado primeiro que todo mundo ia ser escovar os dentes com muita pasta (só falei isso porque essa é uma coisa que ela gosta de fazer, obviamente. Heheheheh!) e saí correndo pro banheiro.

Pra estimular ainda mais, a Letícia disse que ia lá pegar o prêmio dela primeiro, e a Pri, pra não ficar pra trás, saiu correndo na frente da Lelê pra chegar antes no banheiro.

E assim o cenário de caos foi transformado em cenário de paz e risadas!

Mas a história não acaba aqui! Essa ação que a Amanda teve me fez lembrar de um trecho do livro Como falar para seu filho ouvir e como ouvir para seu filho falar:

Percebeu que eu e Marcelo agimos como na primeira página, e a Amanda agiu como na segunda página?

Eu poderia ter ficado chateada por não ter me lembrado de usar logo essa técnica com a Priscila, mas, pelo contrário: fiquei muito feliz – porque a Amanda só teve a ideia de usar essa técnica por já termos feito isso várias vezes com ela, com a Letícia e com a Priscila também, em outras ocasiões.

É impossível acertarmos sempre. Mas perceber que, quando acertamos, servimos de exemplo para as nossas filhas nos deixa muito orgulhosos!

Gostou desta matéria? Leia estas também!

Quem acompanhou a minha terceira gravidez pelo Instagram deve lembrar das fotos semanais que eu...

– Por que vocês quiseram ter filhas?Essa foi a pergunta que eu e Marcelo ouvimos da Lelê, enquanto...

Independente da religião que nossas filhas vão seguir, a gente sempre incentivou elas a rezar, ou...

4 comentários
 
  1. Maria+Lucia+Japiassu+da+Silva 29 de julho de 2021 at 09:26 Responder

    Essa família é nota 1000!!!!

    • Mônica Japiassú 29 de julho de 2021 at 12:28 Responder

      😍😍

  2. José Matos 28 de julho de 2021 at 20:55 Responder

    Que família maravilhosa!

    • Mônica Japiassú 29 de julho de 2021 at 08:57 Responder

      😍😍

Deixe uma resposta